Chemtrails: a teoria da conspiração por trás dos rastros deixados no céu pelos aviões

Aero 4 de janeiro de 2019 Marcella Blass 0

É muito comum ver os rastros brancos deixados pelos aviões quando eles cruzam o céu em grandes altitudes. Tem gente que não repara, tem quem ache incrível, mas o que nem todo mundo sabe é que há uma teoria da conspiração cabulosa por trás desses traços, aparentemente, inofensivos.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link

Conhecida como chemtrails, ou trilhas químicas, a teoria da conspiração acredita que esses traços brancos são compostos por agentes químicos com as mais diversas finalidades — dispersados no céu a mando do governo norte-americano. A desconfiança começou em meados da década de 90, depois que a Força Aérea dos Estados Unidos publicou um artigo sobre a possibilidade de usar a manipulação do clima como arma em combates militares.

Já o argumento que mantém a teoria aquecida até hoje tem a ver com o comprimento e a duração dos rastros. De acordo com os teóricos da conspiração, as trilhas normais são curtas e breves. Enquanto as químicas tendem a ficar por mais tempo e cobrir mais espaço no céu.

Controle da população

De forma mais específica, muitos acreditam que as chemtrails contêm traços de substâncias capazes de reduzir a produção de óvulos e espermatozoides em mulheres e homens que vivem na região em que são dispersadas.  Quem acredita, justifica a teoria com o fato de o aumento do tráfego aéreo ser bastante proporcional à redução da taxa de fecundidade no mundo.

Outros acreditam que as intenções são ainda mais obscuras. Para essas pessoas, os químicos presentes nos rastros têm sido usados para causar um efeito tranquilizante na população, para que ela seja menos reativa e mais facilmente influenciada. Ou, então, que as substâncias estão sendo responsáveis por causar doenças em prol do lucro da indústria farmacêutica.

Será?

Por outro lado, não há nenhum estudo científico que prove a presença de agentes químicos (fora do normal) nos traços dispersados pelas aeronaves. Então, não precisa ficar tenso quando vê-los no céu. Esse fenômeno acontece por conta da condensação do vapor d’água que sai das turbinas dos aviões e vira uma trilha de gelo nas grandes altitudes. Pelo menos é o que eles dizem.

Leia mais: 
Testamos: versão de entrada do Hyundai HB20 agrada com motor 1.0 esperto
Especial Land Rover 70 anos: relembre a trajetória da marca

E por falar em altitude, confira uma galeria com os protótipos atuais do que os especialistas estão chamando de carros voadores:

 
 
<
>