Testamos: Tracker Midnight tem (quase) 50 tons de preto e ótimo desempenho na estrada

NotíciasTestes 9 de novembro de 2018 Sérgio Vinícius e Leo Alves 0

A Tracker Midnight chama atenção por ser completamente preta – o que, para a Chevrolet deve ser bom, dado que a montadora a colocou no mercado exatamente por e para isso. Por fora, o SUV urbano é pintado com uma tonalidade chamada Preto Ouro Negro. Por dentro, bancos, painel, console, revestimentos em geral, tudo preto, bem pretinho mesmo (e uns detalhezinhos em laranja no estofamento).

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Semelhante à versão Premium, a Midnight chega agora como top de linha e com a aposta da Chevrolet em convencer que o diferencial (aliado a mais algumas novidades inexistentes em outras Tracker) a desembolsar um valor considerável – R$ 105.690 (a LT, de entrada, custa R$ 92.120) .

O que é bom
Na prática, o carro agrada de maneira geral (tanto para quem liga como para quem não está nem aí para as cores de um modelo). Entre os pontos que chamam a atenção positivamente, tanto na cidade como na estrada, estão o acabamento interno (confortável, com materiais agradáveis ao toque). Bancos apoiam bem o corpo, sendo bastante confortável independentemente da estatura ou peso dos ocupantes.

Leia Mais:
Testamos: Chevrolet Onix LT 1.0 é um bom companheiro para os desafios urbanos
Testamos: bem equipado, Nissan Sentra SL prova que ainda é sério concorrente entre sedãs médios
Testamos: VW Golf Variant é uma opção familiar, mas que não abre mão da esportividade

Quem está ao volante também gostará de pilotar a Midnight. A agilidade do motor 1,4l turbo é boa. Se pisar fundo, ele arranca com gosto. A suspensão é macia e absorve bem as irregularidades das acidentadas vias do Brasil. Quando o Garagem360 testou a versão do LTZ, percebeu que o modelo era muito bom em curvas em velocidades consideráveis, mesmo sendo alto – isso segue na nova Tracker top de linha.

Do ponto de vista de tecnologia, o Tracker Midnight tem tudo o que a Chevrolet tem de melhor (OnStar, por exemplo). E, apesar de uma série de recursos de ponta, tudo é muito simples e intuitivo de usar. Até pessoas com pouca paciência para atender ligações conseguem, por exemplo, conectar o smartphone ao sistema do Tracker ou acionar o GPS embarcado no modelo. Tudo com um ou dois comandos na central multimídia.

O que poderia ser melhor
Também na prática, o que se percebe em alguns dias de testes da Tracker Midnight é que seu consumo poderia ser melhor. Em uso mesclado entre cidade e 300 km de estradas, o modelo rende a média de 8,7 km/l , com gasolina.

Do ponto de vista do design, avaliação puramente subjetiva, as costuras laranjas dos estofados, que contrastam com o preto preto preto do interior, destoam da proposta da versão. Ao menos dão uma cor ao interior (e, ao menos, novamente, são laranjas e não amarelas), mas passam um ar de algo meio fora do lugar tom.

(A gravatinha preta, também adotada na S10 Midnight, fica no limbo entre os pontos positivos e negativos. De tão escura, parece que há um buraco ali onde fica o símbolo da Chevrolet. No geral, combina com o conjunto da obra, ao mesmo tempo que dá a ideia que o logo ficou pelo caminho.)

Outro ponto que pode incomodar é o espaço interno. Se o motorista for alto, quem for atrás vai passar aperto, já que o espaço interno é o maior problema do Tracker. Quem vai à frente até consegue se ajeitar sem problemas. Já no banco traseiro, um passageiro de mais de 1,85 m não terá vida fácil – as pernas vão encostar no assento frontal. A cabeça raspará no teto.

O sistema Start/Stop é um aliado na economia de combustível, mas no modelo da GM ele não pode ser desativado. Tudo bem que não é um problema exclusivo do utilitário – no Cruze também é assim – mas em dias mais quentes, acaba sendo um pouco incômodo o desligamento do motor, já que o ar-condicionado também para de funcionar.

E o que mais?
Do ponto de vista objetivo, a Tracker não deixa a desejar. A Chevrolet explica que a opção por criar a linha Midnight se dá pela predileção dos consumidores na cor preta. Em especial por parte dos potenciais motoristas de seus SUVs. Então, logo de cara, esses R$ 2.000 de preço entre a versão anterior pode ser irrelevante a compradores.

Além disso, de volta à tecnologia embarcada, o modelo conta com controle eletrônico de estabilidade, ignição do motor por botão, sensor de ponto cego, alerta de tráfego traseiro e assistente de partida em rampa. Teto solar, OnStar e multimídia com Android Auto e Apple CarPlay são itens de série.

Outros itens da Tracker Midnight são:

  • Lanternas com LED
  • Regulagem de altura dos faróis
  • Sensor de estacionamento traseiro
  • Banco do motorista com regulagem elétrica lombar e descansa braço
  • Banco dianteiro do passageiro com encosto rebatível
  • Descansa braço traseiro com porta-copos
  • Porta-objetos embaixo do banco do passageiro
  • Porta-óculos no teto
  • Sombreira do motorista e passageiro com espelho e iluminação
  • Tapetes em carpete
  • Teto solar elétrico

O modelo é equipado com direção elétrica com ajuste de altura e profundidade, motor turbo Flex de até 153 cavalos com torque de 24,5 kgfm. Tem transmissão automática de seis marchas e sistema Stop/Start, além de freios ABS com EBD, controle de velocidade de cruzeiro.

Vale a compra?
O Tracker Midnight pode agradar especialmente para quem procura um SUV urbano que chame atenção nas ruas. Seus 50 tons de preto a tornam ao mesmo tempo elegante e agressiva. Com muita tecnologia embarcada, trata-se de um modelo que entrega o que promete – boa dirigibilidade, conforto, potência e segurança.

Entretanto, se o motorista não é tão fã assim de um visual que chame a atenção ou seja tão agressivo ou que não ligue para a tonalidade do veículo, talvez seja interessante colocar na ponta do lápis outras opções de compra. Ao compará-la com outras SUVs e até mesmo versões inferiores de Tracker que saem por menos preço, talvez encontrem modelos que entreguem qualidade semelhante.

Veja o Tracker Midnight em detalhes no álbum.

 
 
  • Testamos: Tracker Midnight tem visual agressivo e bom desempenho na estrada
<
>