Seu carro elétrico sozinho não vai salvar o mundo

Atualmente, o carro elétrico está ganhando cada vez mais popularidade no mundo como uma alternativa mais sustentável aos veículos movidos a combustíveis fósseis.

carro elétrico
Em um mundo perfeito, toda estação de recarga de carro elétrico seria assim – Foto: Freepik

O carro elétrico pode “salvar o mundo”?

Com sua tecnologia avançada para reduzir as emissões de carbono, muitos acreditam que os eletrificados sejam a solução definitiva para reduzir a poluição do ar. 

No entanto, é importante entender que os carros elétricos não são a única resposta e que há ainda uma série de fatores a serem alinhados para torná-los ainda mais eficientes do ponto de vista sustentável. 

VEJA TAMBÉM

Embora os carros elétricos sejam uma opção mais ecológico quando comparados aos movidos a gasolina, por exemplo, eles não são isentos de impactos ambientais. 

Um recente estudo da Stellantis mostrou que o etanol brasileiro emite menos carbono que o eletrificado europeu. Na ocasião, um veículo percorreu 240,49 km e foram obtidos os seguintes resultados de emissões de CO2: 

  • Gasolina (E27): 60,64 kg CO2eq
  • 100% elétrico (BEV) com energia europeia: 30,41 kg CO2eq
  • Etanol (E100): 25,79 kg CO2eq
  • 100% elétrico (BEV) com energia brasileira: 21,45 kg CO2eq

Já o carro elétrico brasileiro polui ainda menos. O motivo é de onde a energia vem. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, mais de 85% da nossa matriz elétrica vem de fontes renováveis, como hidrelétricas. Enquanto na Europa, a maior parte dessa energia vem de termelétricas. 

Em outras palavras, os europeus queimam carvão para mover seus veículos elétricos. Não faz muito sentido se a ideia é reduzir a potencial emissão de carbono. 

Além disso, temos a questão da produção em larga escala de bateria de íons de lítio que são usadas em carros elétricos, que requer a extração de recursos naturais como lítio e cobalto que nem sempre podem ser provenientes da reciclagem. 

Processo de fabricação também precisa de adaptações

O professor de engenharia elétrica da FEI, Fabio Delatore, ressalta que o processo de produção é quase o mesmo de um carro a combustão, de modo a emitir a mesma quantidade de poluentes nas indústrias durante esse processo. 

fábrica de carros
Processo de produção também precisa de ajustes para poluir menos – Foto: Freepik

Para a emissão de poluentes de um veículo elétrico ter um saldo menor ao de um equivalente a combustão, considerando o processo de fabricação mais o uso nas ruas, é necessário um ciclo de 100 mil quilômetros rodados.

Nesse sentido, é importante desenvolver métodos de produção menos poluentes, que utilizam componentes feitos de materiais reciclados. Trata-se de um setor muito promissor, mas que ainda precisa se adequar para efetivamente usar o apelo da sustentabilidade. 

Além disso, é necessário adotar uma abordagem abrangente que inclua mudanças nos setores de transporte, energia e estilo de vida, além de investir em tecnologias mais limpas e sustentáveis.

Você pode se interessar: BYD critica Anfavea sobre a volta da taxação de carros elétricos

Robson QuirinoSou Robson Quirino. Formado em Comunicação Social pelo IESB-Brasília, atuo como Redator/ Jornalista desde 2009 e para o segmento automotivo desde 2019. Gosto de viagens rápidas, mas sonho em viajar em um cosmic car para o espaço sideral.
ASSISTA AGORA
Veja mais ›
Fechar