Descubra como funcionam os sistemas de partida a frio

Notícias 11 de julho de 2018 Da Redação, com assessoria 0

Os reservatórios de partida a frio, conhecidos popularmente como “tanquinhos”, estão presentes em boa parte dos carros com motorização flex. Se o veículo estiver abastecido com etanol, a ausência de gasolina no reservatório pode dificultar ou até impedir a partida do motor em dias frios.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Segundo o Cesvi/Mapfre (Centro de Experimentação e Segurança Viária), o reservatório é esquecido por muitos motoristas, especialmente por quem mora em lugares quentes ou só usa gasolina. Afinal, a injeção do combustível só é acionada em dias frios e se os sensores do sistema de injeção identificam predominância de etanol no tanque.

No entanto, é sempre importante estar atento ao nível de combustível no reservatório. Uma dica é a utilização da gasolina aditivada no tanquinho – ela mantém suas prioridades por um período maior se comparada à gasolina de tipo C comum.

Tecnologias de partida a frio

Com as novas tecnologias que auxiliam na partida a frio, a preocupação com o reservatório está com os dias contados. Algumas montadoras utilizam um sistema com resistência elétrica para que o combustível seja pré-aquecido antes de ser injetado na câmara de combustão.

Funciona da seguinte forma: os sensores do veículo efetuam a leitura da baixa temperatura ou da predominância do etanol no tanque de combustível. Esse mesmo comando inicia o pré-aquecimento das lanças elétricas, também conhecidas como resistências, conectadas aos bicos injetores. São elas que aquecem o etanol, deixando o combustível na temperatura adequada para combustão na partida a frio. Citroën, Honda, Peugeot e Volkswagen são exemplos de marcas que já utilizam esse sistema com sucesso no País.

Os veículos com injeção direta de combustível também tornam o tanquinho desnecessário. Nessa tecnologia, o combustível pressurizado é injetado diretamente dentro da câmara de combustão, de modo que a movimentação dos pistões e a própria compressão do ar o aquecem, promovendo a combustão.