Exatamente há 30 anos, Ayrton Senna vencia o GP do Japão de 1988 e conseguia seu primeiro título mundial. Fazendo sua primeira temporada pela McLaren, o piloto alcançava a glória máxima da categoria ao eliminar as chances de título de seu companheiro de equipe, Alain Prost, então bicampeão do mundo.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Isso foi possível graças ao regulamento da época. Por conta dos descartes, apenas 11 resultados eram contabilizados, enquanto cinco não entravam na conta final. Prost foi mais constante que Senna e fez 105 pontos, mas apenas 87 foram validados. Já Ayrton fez 94 pontos, sendo que valeram 90. O brasileiro até chegou em desvantagem para disputar a prova japonesa, já que tinha 79 pontos válidos, contra 84 de Prost. Porém, ele poderia alcançar 93 tentos, enquanto que o francês só poderia chegar a 87.

GP do Japão de 1988: pole e recuperação

Disposto a ganhar seu primeiro título, Senna começou o final de semana em vantagem. No sábado, conseguiu ficar na pole, enquanto que seu concorrente à taça saiu logo atrás, em segundo. Naquele ano o carro da McLaren, associado ao motor V6 turbo de 1,5l da Honda foi soberano. Das 16 corridas, venceu 15, mesmo número de poles. Essa foi a 12ª vez na temporada que Ayrton largou na primeira colocação, sendo que ele também sairia na frente na prova seguinte, na Austrália, que foi a última de 1988.

No domingo, porém, parecia que o jogo viraria em favor de Prost. No momento da partida, o carro de Senna não sai do lugar e o francês assumiu a ponta. Para não abandonar, o brasileiro aproveitou que a reta de Suzuka é em uma descida e conseguiu fazer seu bólido pegar no tranco. Embora tenha conseguido largar, ele caiu para 14º e precisava se recuperar para tentar alcançar seu companheiro de equipe.

LEIA MAIS: McLaren Senna e carro que deu o bicampeonato ao piloto estarão no Salão do Automóvel

Memória: Há 30 anos, Senna conquistava sua primeira vitória nas ruas de Mônaco

A partir daí, o que se viu foi um show de Ayrton. Utilizando seu talento e a superioridade de seu carro, na quarta volta ele já estava em 4º no grid. No 11º giro, o piloto consegue superar a Ferrari de Gerhard Berger e assume o terceiro lugar. Enquanto isso, Prost seguia na ponta, acompanhado por Ivan Capelli e sua March. Na volta 15, o italiano surpreende e chega à primeira posição. Ele ficaria pouco na ponta, já que o francês da McLaren recuperaria o posto logo em seguida.

Quem gostava dessa disputa era Senna, que se aproximou dos dois ponteiros e assumiu o segundo lugar na volta 19, após ultrapassar Capelli. Com um ritmo alucinante, o brasileiro estudava o melhor momento para conseguir superar seu rival. A chance veio no 27º giro, quando o francês perde tempo ao ultrapassar dois retardatários. Ayrton aproveitou a chance, superou Prost, assumiu a ponta e não perdeu mais a liderança.

Senna campeão

Após uma recuperação digna de um roteiro de filme, Ayrton foi o primeiro a cruzar a linha de chegada após 51 voltas. Prost ficou em segundo e Berger completou o pódio. Assim como em 1987, com Piquet, novamente o Brasil tinha um campeão mundial de F1, sendo este o sexto título do país na categoria.

Há quem considere o GP da Europa de 1993, em Donington Park, como a melhor corrida da carreira de Senna. Porém, por tudo que fez na prova japonesa de 1988, a vitória que valeu o primeiro título talvez seja até mais emblemática.

No vídeo abaixo é possível ver um resumo com os melhores momentos do GP do Japão de 1988, em inglês.

Carros históricos

A McLaren MP4/4 de 1988 foi um dos carros mais dominantes da F1. Porém, não foi o único. Confira na galeria a seguir alguns dos bólidos que fizeram história na categoria.

 
 
<
>