Tags

Álbum

Exclusivo: testamos o Jeep Wrangler Rubicon nos EUA

Quando os meses mais quentes tomam conta do ano, é possível vê-los por todos os lados no interior dos Estados Unidos. Nas estradas e, principalmente, fora delas, coloridos Jeep Wrangler desfilam praticamente nus: a moda por lá é arrancar as capotas removíveis, dobrar os para-brisas e se livrar das portas. Barbudos de cabelo vermelho, moças elegantes, crianças… Todo mundo se diverte!

É assim, com espírito retrô aventureiro, que o brutalhão lançado na Segunda Guerra Mundial, prestes a completar 80 anos de idade, segue conquistando fãs com uma curiosa leveza. Seja quem adora se enlamear, seja quem não tira o gel do cabelo ou o salto alto.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link

No Brasil, a atual geração do Wrangler é oferecida em modelos baseados em duas versões: Sahara, com características mais urbanas, e Rubicon, que incorpora mais recursos off-road. Nos EUA, há outras opções, como as Sport e Sport S, “mais simples”, e as intermediárias Willys e Freedom.

As diferenças não param por aí: enquanto um Rubicon, por exemplo, não sai por menos de R$ 432 mil em terras verde-amarelas, o modelo parte de US$ 42.440 no país do Tio Sam. Mesmo convertendo o dólar a mais de R$ 5 e sabendo das particularidades de cada mercado, a diferença impressiona.

Clube do jipe

O Garagem360 teve a oportunidade de testar o Jeep Wrangler Rubicon quatro portas na região noroeste do Arkansas (EUA), já nas proximidades das divisas com os estados do Missouri, do Kansas e do Oklahoma. Cercado de verde, o destino tem boas estradas que permitem rodar suavemente, pontes de madeira, fazendas, cachoeiras e muitas trilhas para chacoalhar a valer.

Na primeira volta, antes mesmo de avaliar o carro com mais propriedade, já deu para perceber que um dos grandes baratos de dirigir um jipe é ter acesso, automaticamente, a uma espécie de clube restrito. De uma hora para outra, quase todos os “irmãos” que passam ao lado, independentemente do estilo, carregam junto um aceno por trás do volante.

LEIA MAIS: Jeep mostra conceito Wrangler Rubicon 392 com motor V8
Após 25 anos: Ford revela nova geração do Bronco nos Estados Unidos

Parte dessa cumplicidade entre os jipeiros deve vir da sensação única de estar “acima” dos demais motoristas, pelo menos no que diz respeito à posição da pilotagem. Qualquer sedã ou esportivo que estaciona ao lado parece um carrinho de brinquedo às vistas de quem conduz um Wrangler. Isso compensa o fato de ter praticamente que escalá-lo para acessar o interior (o espaçamento do solo é realmente grande) – o que deixa claro que você não está entrando em um SUV, mas em um jipe, como a própria montadora faz questão de ressaltar.

Isso não significa, entretanto, que o Rubicon faz feio no quesito conforto diante de primos “criados em apartamento”, como Cherokee, Compass e Renegade. Pelo contrário. Por trás do jeitão espartano e quadradão que remete ao antigo Willys, o painel entrega tecnologia de sobra, com instrumentação parcialmente digital personalizável e central multimídia Uconnect com tela de até 8,4 polegadas, compatível com Apple CarPlay e Android Auto – a despeito da indefectível antena ajustável de alumínio à direita do capô.

Parece SUV, mas não é

O Wrangler tem ainda opcionais como aquecimento de volante e bancos dianteiros individuais, sistema de GPS e monitoramento de ponto cego nos retrovisores. Somam-se a esses itens partida à distância via chave ou aplicativo, abertura das portas por proximidade, alertas de colisão com sistema de frenagem autônoma e uma câmera de ré com nitidez impressionante.

A versão testada trazia ainda banco de couro preto com detalhes em vermelho – dentre eles algumas costuras, a palavra Rubicon estampada nos assentos dianteiros e os cintos de segurança. Chamou atenção o fato de o ajuste dos bancos da frente se dar de maneira simples, com alavancas de tecido e catracas manuais.

É justamente esse conjunto, ao lado do freio de mão e das redes para guardar objetos posicionadas nas portas e atrás dos assentos dianteiros, que o faz lembrar novamente que está em um jipão – novo, é verdade, mas também velho de guerra. Nem a partida eletrônica via botão, as entradas USB no painel e no console central e a tomada e os direcionadores de ar-condicionado voltados para os ocupantes de trás são capazes de mascarar essa (ótima) sensação.

Vento na cara

Dentro do Wrangler, vale a pena olhar não apenas para frente e para os lados, mas também para cima. E não necessariamente para os poderosos alto-falantes presos no Santo Antônio. Ocorre que, na versão americana, há diferentes tipos de capota: com lona simples, rígida removível (em três peças) e com teto de lona que abre e fecha eletricamente com um toque (não oferecida no Brasil).

Durante os testes, esta última mostrou-se precisa com o carro parado ou em movimento, com a abertura ou o fechamento se dando por completos, do para-brisa ao final dos bancos traseiros, em menos de 10 segundos. O único senão é que o som do rádio apresenta uma pequena falha durante o processo, mas nada que passe de um segundo.

Para despir um pouco mais o Wrangler, basta soltar com as mãos (é tão fácil quanto girar uma maçaneta) as duas presilhas que sustentam cada uma das janelas laterais traseiras – dá até para armazená-las em segurança no porta-malas dentro de um saco de proteção oferecido como opcional. Ou, ainda, usar o conjunto de ferramentas que acompanha o modelo para desparafusar as portas sem esforço e sair peladão por aí (o carro, veja bem).

Ao fuçar no Rubicon nota-se, também, que o porta-malas tem bom espaço (a capacidade é de 498 litros), sobretudo porque o estepe fica do lado de fora e há um compartimento inferior para guardar objetos. É nele, inclusive, que estava outro opcional do carro, uma sacola vermelha personalizada. Em seu interior havia cordas, gancho e outros acessórios úteis em trilhas – a capacidade de reboque do carro é de 1,5 tonelada.

Sahara x Rubicon

Visualmente, o Jeep Wangler Rubicon traz vincos por fora e adesivos que o tornam ligeiramente diferente do Sahara – embora o estilão robusto seja o mesmo em ambas as versões. Sob o capô do modelo testado, pulsava um motor 2.0 turbo de quatro cilindros a gasolina, que gera 272 cv e 40,7 kgfm de torque, com câmbio automático de oito marchas. Nos EUA, há ainda as versões a gasolina 3.6L V6 24V VVT (285 cv e 35,9 kgfm) e 3.0L V6 turbodiesel (260 cv e 61,1 kgfm).

Em relação a itens de segurança, conforto e alguns acessórios, como os enormes retrovisores e o conjunto de iluminação de LED, as versões Sahara e Rubicon se assemelham. O mesmo vale para os plugues de drenagem de água no piso e o sistema de tração nas quatro rodas com caixa de transferência 4Wd ativa, presente em ambos os modelos.

Por ser mais brutamontes, porém, o Rubicon tem suspensão 5 cm mais alta, camada de proteção na carroceria contra impacto de pedras e outras tecnologias que o tornam mais específico para subir paredes por aí. Entre elas, destacam-se o sistema Rock-Trac com relação reduzida de 4.1, que impacta em menos rotações por eixo a cada giro do motor, e o bloqueio eletrônico de diferenciais dianteiros e traseiros Tru-Lok, capaz de distribuir potência uniformemente entre as rodas – uma mão na roda em situações adversas.

On e off-road

Na terra, os pneus lameiros LT285/70R17C se sentem em casa. O contato com a superfície ampla aliado ao giro curto das rodas aumenta o controle, o que torna a condução mais eficiente e prazerosa, mesmo sobre pedras, em barrancos, corredeiras ou o que mais imaginar.

No asfalto, o Rubicon se revela um pouco mais instável, sobretudo em baixa rotação ou curvas de alta velocidade – mesmo assim, é mais firme que o Sahara (no qual fizemos um test-drive rápido) e roda com bom nível de conforto na estrada. Essa sensação é salientada pela boa empunhadura no volante.

Para torná-lo mais democrático, a Jeep apostou em uma grade dianteira ligeiramente curva e bordas arredondadas que auxiliam a aerodinâmica. Mesmo assim, quem acelera consegue perceber algum atrito com o vento, ainda que não exagerado.

Durante o teste, surpreendeu o fato de que, com a capota e os vidros fechados, quase não dava para ouvir barulho externo, mesmo com a ação dos pneus todo-terreno na estrada lisa e acima dos 120 km/h. Certamente contribuem para isso o para-brisa acústico, o isolamento do piso e o amortecimento de som adicional no painel do Wrangler.

Conclusão

O Jeep Wrangler Rubicon é, definitivamente, um carro versátil, pronto para enfrentar o concorrente que vier pela frente, como o Ford Bronco, e satisfazer quem deseja mantê-lo encerado ou coberto de terra, seja nos EUA, seja no Brasil. É uma pena apenas que, por aqui, seu preço o torna tão distante da realidade da maioria das pessoas.

Raio-X

Jeep Wrangler Rubicon

Motorização: 2.0 Turbo a gasolina com 272 cavalos de potência a 5.250 rpm

Torque: 40,7 kgfm a 3 mil rpm

Transmissão: Automática de oito marchas

Dimensões: 4,78 m x 1,87 m (sem espelhos) x 1,87 m (comprimento x largura x altura)

Distância entre eixos: 3 m

Peso: 2.019 kg

Tanque de combustível: 81 L

Consumo: 7,2 km/l (cidade) / 9,7 km/l (estrada) – gasolina

Porta-malas: 498 L

Preço: R$ 432 mil

Pontos positivos: posição de dirigir, tecnologia embarcada, tetos e janelas versáteis, itens para off-road

Pontos negativos: acesso dificultado pela altura, instabilidade em baixas rotações e curvas em alta velocidade

 

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book com dicas para cuidar melhor de seu veículo.