Estudo revela que filtro de ar esportivo não aumenta a potência do carro

NotíciasServiços 27 de agosto de 2019 Leo Alves 0

O filtro de ar esportivo tem como principal objetivo aumentar a potência do motor, já que, em tese, enriquece a mistura entre ar e combustível. Por ter um preço relativamente baixo (é possível encontrar modelos na casa dos R$ 200), ele costuma ser bastante utilizado por quem deseja melhorar a performance sem grandes investimentos. Entretanto, um estudo realizado pelo Centro Universitário Newton Paiva revelou que a instalação apenas da peça não promove nenhum aumento de potência e torque do motor.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Filtro de ar esportivo: potência

Orientados pelo engenheiro mecânico e professor Luiz Brant, os alunos Lucas Costa Fagundes e Raylan Rodrigues utilizaram o estudo em seu trabalho de conclusão de curso. Nos testes, que foram realizados em um carro de passeio convencional, embora o filtro esportivo realmente permita que mais ar passe, a central eletrônica do veículo corrige o fluxo, fechando a borboleta do motor.

“A central é programada de fábrica para permitir um determinado volume de ar específico. É ela quem controla isso, por isso há essa limitação, para garantir que o veículo tenha a potência informada e emita a quantidade correta de gases poluentes”, explica Luiz.

LEIA MAIS: Fiat Uno completa 35 anos; veja memes do modelo

Carros tunados: veja 40 modelos modificados 

Segundo o professor, essa limitação ocorre apenas nos carros com injeção eletrônica. “Em um carro com carburador é diferente. Basta apenas realizar um ajuste nele, que é bem simples de ser feito, para que o filtro ajude a liberar mais potência”, conta o professor.

Ajustes na central

Entretanto, o filtro de ar esportivo não é o vilão da história. Ele até cumpre seu papel, conforme o experimento atestou. É a central eletrônica a responsável pelo não enriquecimento da mistura, fechando a borboleta e evitando que a maior quantidade de ar entre na câmara de combustão.

Para solucionar este problema, Luiz aponta duas soluções: investir em uma reprogramação ou em uma central esportiva. “Com a programação alterada, a central de fábrica permite que haja um ganho de desempenho. Uma nova, com perfil esportivo, também permite que seja feita a calibragem de acordo com a performance desejada”, diz.

“Não existe milagre. O filtro esportivo permite uma passagem de ar maior, com ganhos entre 40 e 60%, mas sozinho não resolve”, finaliza Luiz.

E já que o assunto é sobre potência, confira na galeria quais são os carros nacionais mais potentes de 2019.