Tags

Notícias

Saiba quais são os perigos da montagem incorreta dos pneus

Créditos: Divulgação/ Continental

A montagem de um pneu em uma roda envolve uma série de cuidados para evitar danos que podem comprometer a segurança do veículo. Vale lembrar que, a partir dessa ação, os problemas podem surgir em razão de fatores como ausência de uma lubrificação correta, emprego de equipamento inadequado, procedimentos errôneos e até mesmo do uso de uma roda danificada.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Perigos da montagem incorreta dos pneus

“Uma lubrificação deficiente, seja pela utilização de um lubrificante de qualidade inferior ou pela aplicação de uma quantidade insuficiente do produto, afeta diretamente o processo de montagem e desmontagem dos pneus, podendo causar danos irreversíveis”, alerta o gerente de assistência técnica da Continental, Rafael Astolfi.

“Em situações extremas, o pneu pode sofrer um corte na região da unha do talão, viabilizando a entrada de ar por entre as camadas de suas laterais e formando uma grande bolha impossível de não ser notada. E, o pior, é que essa bolha, inevitavelmente, se romperá com o tempo”, detalha Rafael.

LEIA MAIS: Calibragem de pneus: veja qual é a medida ideal para o seu carro
Bolhas, rodízio e “cabelinhos”: descubra mitos e verdades sobre pneus de carros

O emprego de lubrificantes à base de vaselina mineral é outro detalhe importante que precisa ser evitado a todo custo, pois o produto não só ataca a borracha que envolve os talões como também não seca ao longo do tempo, permitindo que os pneus girem nas rodas em situações de frenagem.

Atenção especial deve ser dada aos procedimentos de montagem, pois é importante que os talões do pneu sejam posicionados corretamente dentro do rebaixo da roda. Caso contrário, pode ficar difícil para o talão passar pelo frange da roda, o que também pode ocasionar um corte na unha do talão.

Para Rafael, outro problema no processo de montagem do pneu na roda é o emprego de equipamento inadequado. “Pneus do tipo runflat e de perfil muito baixo demandam máquinas dotadas de equipamentos especiais para montagem, pois o uso forçado de máquinas comuns e de barras de ferro é capaz de danificar seus talões, que podem amassar, e as laterais, que podem ser esmagadas.”

Além disso, embora rodas de diâmetro 16.5’’ sejam raras no mercado brasileiro, elas são um bom exemplo de como o casamento entre a roda e o pneu deve ser harmônico. “Ao forçar a montagem de pneus em aros maiores, pode-se romper o fio de aço que compõem o núcleo do talão”, enfatiza Rafael.

Com isso, insistir em usar aros danificados ou com oxidação, por exemplo, pode aumentar o atrito na hora da montagem de tal forma que nem o lubrificante é capaz de viabilizar a passagem dos talões pelos humps, causando um efeito similar ao da falta de lubrificação.

30 carros mais vendidos no primeiro semestre de 2020

Se antes do início de 2020 as previsões eram otimistas, o cenário real do mercado automotivo não é dos melhores. A pandemia da covid-19 derrubou as vendas e chegou até a paralisar a produção das fabricantes. Mesmo assim, o Chevrolet Onix encerrou mais um semestre na ponta da tabela. E sua vantagem é tão grande que será difícil algum veículo superá-lo até o final deste ano.

Na galeria, confira quais foram os 30 modelos mais vendidos no primeiro semestre de 2020. Os dados são da Fenabrave.

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book com dicas para cuidar melhor de seu veículo.