Testamos: Toyota Yaris sedã oferece bons equipamentos e espaço interno generoso por menos de R$ 80 mil

Testes 31 de janeiro de 2019 Sérgio Vinícius e Leo Alves 0

Principal lançamento da marca em 2018, o Toyota Yaris chegou ao Brasil com a tarefa de ser um intermediário entre o Etios e o Corolla. Disponível nas carrocerias hatch e sedã, o modelo, ao menos até aqui, tem conseguido bons números de venda: ele está entre os 30 carros mais vendidos do País. Até mesmo o Etios tem sido superado pelo irmão mais novo. Para conhecer melhor o carro, o Garagem360 testou a versão três volumes e entendeu o porquê de seu sucesso.

LEIA MAIS: Testamos: amplo espaço interno e porta-malas generoso compensam design controverso do Toyota Etios sedã

Testamos: confortável, Toyota Corolla Altis agrada tanto na cidade como na estrada

A versão analisada foi a XS, que é uma abaixo da XLS, a topo de linha. Seu preço parte de R$ 78.490 e o único opcional disponível é a pintura metálica, como a do modelo testado. Com ela – neste caso, a Azul Titã – o valor sobe para R$ 79.640, de acordo com o site da montadora. Nessa faixa, ele concorre com o Honda City EX, Volkswagen Virtus Comfortline, Fiat Cronos Precision e Chevrolet Cobalt Elite.

Toyota Yaris sedã: desempenho

De todos, porém, talvez o que mais se assemelhe ao Yaris seja o City. A proposta de ambos é bem parecida, principalmente por serem carros mais preocupados com o conforto do que com desempenho. Apesar disso, não há grandes reclamações da performance do sedã da Toyota. Equipado com o motor 1,5l, ele não parece ter apenas 110 cv. Pelo contrário, ele arranca bem e desenvolve boa velocidade nas estradas. O câmbio automático CVT também merece elogios, já que é um grande aliado do propulsor. Ele mantém o giro sempre numa faixa ideal e tem funcionamento suave, sem trancos.

Raio-X

Toyota Yaris sedã XS 1.5 CVT

Motorização: 1,5l 16V Dual VVT-i de 105/110 cv a 5.600 RPM (gasolina/etanol)

Torque máximo líquido: 14,3/14,9 kgfm a 4 mil RPM (gasolina/etanol)

Transmissão:Automática do tipo CVT com paddle shifts (simula 7 marchas)

Dimensões: 4,42 m x 1,73 m x 1,49 m (comprimento x largura x altura)

Distância entre eixos: 2,55 m

Tanque de combustível: 45 L

Consumo médio: 8,4 km/l cidade/estrada (pelo computador de bordo)

Porta-malas: 473 L

Peso em ordem de marcha: 1.130 kg

Preço: R$ 78.490 (R$ 79.640 como o testado)

Pontos positivos: espaço generoso, bons equipamentos, dirigibilidade

Pontos negativos: central multimídia simples, dificuldade em ler o painel durante o dia com o farol aceso, ausência do sensor de ré

Embora tenha borboletas para a troca de marcha – o câmbio simula até sete velocidades – elas podem ser facilmente dispensadas. Isso porque, mesmo no modo manual, a transmissão acaba interferindo na condução. Se achar necessário, ela faz a redução sozinha e impede que alguma marcha mais alta seja engatada.

O Yaris também se mostrou um modelo econômico. Durante os testes, seu computador de bordo calculou uma média de 8,4 km/l queimando etanol entre cidade e estrada. Pelos dados do Inmetro, ele faz 8,8 km/l na cidade e 10 km/l em rodovias com o combustível vegetal. Como no teste ele ficou a maior parte do tempo em trechos urbanos e com o ar-condicionado ligado, até que obteve uma boa marca.

Vida a bordo

Quem viaja no três volumes não passa aperto, principalmente na frente. Atrás, os mais altos têm problemas com a altura do teto, mas quem for menor e viajar no meio tem à disposição o sempre bem-vindo assoalho plano. Os painéis e as portas abusam do plástico duro, mas com uma boa aparência. Mesmo sendo simples, é bem acabado e não há falhas de construção, como rebarbas e peças má encaixadas.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

A posição de dirigir é boa, com todos os comandos estão ao alcance do motorista. O único pecado é o volante só ter regulagem de altura, devendo o de profundidade. Mesmo assim, o Toyota Yaris oferece uma boa ergonomia. A visibilidade da rua e do painel de instrumentos é boa. Inclusive, o mostrador tem leitura fácil e conta com uma boa tela colorida do computador de bordo. Porém, caso queria rodar com o farol ligado durante o dia, fica muito difícil ler as informações, já que a iluminação do painel torna-se muito reduzida.

Com os termômetros em São Paulo batendo na casa dos 35ºC, o Yaris sedã se mostrou o carro ideal para o verão brasileiro, já que seu ar-condicionado é muito forte. Um de nossos repórteres ficou com frio mesmo programando a temperatura em 22ºC. E com o modo automático ativado.

Vale a compra?

De fato, o carro da Toyota acaba lembrando um modelo da Honda, sua rival histórica. Assim como o City, o Yaris três volumes é um carro racional e equilibrado. Pode não despertar grandes emoções, mas não deixar de ser um bom carro. Seu desempenho está na média do segmento, sua suspensão é bem acertada, sendo um veículo bem agradável de se guiar.

Para quem precisa de um modelo espaçoso, com bons equipamentos e performance agradável, deve olhar para o Yaris sedã. Ele pode não ser o melhor nessa faixa de preço, mas certamente é um concorrente competente e forte.

 

Nenhum comentário até agora.

Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *