Startup oferece serviço de oficina mecânica móvel

Oficinas mecânicas móveis são ideais para quem precisa resolver uma emergência automotiva ou até fazer manutenções preventivas sem se deslocar até o mecânico ou uma concessionária. A startup TempoTem oferece dois tipos de veículos adaptados para esse tipo de serviço em São Paulo (SP) e Curitiba (PR).

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

A moto é ideal para auxiliar demandas mais simples. Já a van conta com uma infraestrutura moderna capaz de resolver mais de 90% das panes automotivas mais comuns. Ela é equipada com materiais para trabalho em suspensão e caixa de câmbio, torno mecânico e peças para serem trocadas in loco.

Serviços de prevenção (por exemplo, troca de óleo e filtro delivery e check up semelhante ao de revisão) também são realizados pela oficina mecânica móvel. A van é capaz de identificar os pontos frágeis do veículo, como peças que vão demandar manutenção dentro de pouco tempo e a vida útil da bateria. Ela também possui equipamento de remoção do veículo para a oficina mais próxima, eliminando a espera pelo guincho caso o problema não possa ser resolvido.

Para apoio no diagnóstico, a van conta com um scanner automotivo. Conectado ao carro pela entrada OBD II do painel, o equipamento acessa a central de comando do automóvel para verificar toda a parte eletrônica, apontando erros por meio de códigos e oferecendo o diagnóstico com base na análise dos dados emitidos.

A previsão é de que as operações se estendam a Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG) e Salvador (BA). A compra dos serviços é feita pelo site da TempoTem em modelo pay-per-use ou por assinatura, mas serviços e peças adicionais podem ser tratados com o prestador no local.

LEIA MAIS: Toyota vai construir cidade inteligente na base do Monte Fuji, no Japão
BMW mostra Série 7 híbrido com pintura customizada

Recalls bizarros

Na galeria, veja carros que já apresentaram problemas de fábrica bizarros:

Fiat Tipo: depois que algumas unidades pegaram fogo sozinhas, a Fiat convocou um recall para substituir o tubo convergedor de ar quente do motor. Mesmo com a manutenção, alguns veículos continuaram pegando fogo, e foi preciso fazer um segundo chamado para consertar vazamentos de fluido da direção hidráulica, já que o líquido vazava pelo escapamento e provocava os incêndiosmore
Fiat Tipo | Foto: Divulgação
Ford Pinto: o veículo, que foi barrado no Brasil por conta do nome sugestivo, protagonizou um recall polêmico nos Estados Unidos. Se o carro sofresse uma colisão traseira, o tanque de gasolina podia quebrar e causar uma explosão. Antes de colocar o modelo no mercado, a Ford já sabia do problema, mas fez as contas e percebeu que indenizar possíveis mortes e casos de queimaduras sairia bem mais barato do que regularizar a linha de produção. No final, depois de mortes e ferimentos graves, a montadora convocou as unidades para recall e teve que pagar milhões em indenizações | Foto: 2000Scooby via VisualHunt.com / CC BY-NC-ND more
Ford Pinto | Foto: France1978 via Visualhunt.com / CC BY-SAmore
Citroën C3 Picasso: em 2011, 22 unidades da Inglaterra foram chamadas para recall por conta de um motivo um tanto o quanto exótico: quando o passageiro da frente pisava com força no assoalho do carro, era possível acionar o sistema de frenagem sem querer. Isso acontecia porque as versões inglesas tinham os volantes e pedais migrados para o lado direito da cabine, mas o mecanismo continuava passando por baixo do forro do assoalho da parte esquerda (do passageiro). A solução foi reforçar o isolamento dos fios | Foto: RL GNZLZ via VisualHunt / CC BY-SAmore
Citroën C3 Picasso | Foto: RL GNZLZ via VisualHunt.com / CC BY-SAmore
Mercedes-Benz Classe A: durante seu lançamento mundial em 1997, o modelo capotou quando participava do “teste do desvio do alce". Para evitar que a situação se repetisse, a montadora implantou um sistema eletrônico de estabilidade e fez mudanças na suspensão sem alterar o valor final do carro | Foto: Carlos Octavio Uranga via Visualhunt.com / CC BY-NC-NDmore
Mercedes-Benz Classe A | Foto: Carlos Octavio Uranga via Visual hunt / CC BY-NC-ND more
Airbags mortais: Ao menos 16 pessoas morreram por conta das bolsas infláveis defeituosas da empresa japonesa Takata. Os itens projetaram fragmentos contra os ocupantes. O escândalo foi revelado em 2014 e já atingiu grandes montadoras, como Honda, Toyota, BMW e General Motors, que precisaram realizar convocações para recall de seus carros | Foto: Divulgação more
Honda foi uma das atingidas pelos Itens defeituosos da Takata | Foto: Divulgação
Toyota Corolla: a má fixação do tapete do carro fazia o item deslizar e travar o pedal de aceleração do veículo. Algumas unidades aceleraram sozinhas e causaram acidentes graves. A Toyota convocou mais de 100 mil unidades brasileiras para fazer manutenções no sistema de fixação dos tapetes e explicar a forma ideal de posicioná-los | Foto: Divulgaçãomore
Toyota Corolla | Foto: Divulgação
Ford F-150: em 2015, a Ford chamou mais de 12 mil unidades para recall por conta de um problema no sistema de direção. A falha podia provocar a perda de controle da caminhonete e causar acidentes graves | Foto: Divulgaçãomore
Ford F-150 | Foto: Divulgação
Chevrolet Sonic: logo após o lançamento do modelo nos Estados Unidos, a GM percebeu que mais de quatro mil unidades saíram de fábrica sem as pastilhas de freio. A falha afetava o desempenho do carro e virou motivo de recall | Foto: Divulgaçãomore
Chevrolet Sonic | Foto: Divulgação
Volkswagen Fox: mais de 500 mil unidades vendidas no Brasil contavam com um defeito que decepava a ponta dos dedos das pessoas que tentavam rebater os bancos do carro. Isso porque o sistema era um pouco “arisco” e funcionava como uma guilhotina. A montadora convocou o recall, modificou o sistema e incluiu avisos indicando a maneira correta de posicionar as mãos e os dedos durante a ação | Foto: Divulgaçãomore
Volkswagen Fox | Foto: Divulgação
Chevrolet Saturn Ion, Pontiac Pursuit, Pontiac G5, Cobalt, Saturn Ion, HHRs, Pontiac Solstice e Saturn Sky: outro caso polêmic é o recall de mais de um milhão de unidades da GM nos Estados Unidos. A montadora demorou mais de 10 anos para divulgar que os veículos tinham um defeito na ignição. A falha está relacionada a cerca de 13 mortes acidentais e rendeu uma multa de US$ 35 milhões à empresa norte-americana | Foto: Divulgaçãomore
Chevrolet Cobalt | Foto: Divulgação
Fiat Stilo: algumas unidades fabricadas entre 2004 e 2010 tinham um defeito que podia causar a soltura das rodas traseiras durante a condução. Depois do registro de acidentes, a Fiat convocou um recall imediato para substituir o conjunto do cubo da roda. A montadora ainda teve que pagar uma multa de R$ 3 milhões por colocar um produto com defeito de fabricação no mercado | Foto: Divulgaçãomore
Fiat Stilo | Foto: Divulgação