História sem fim: Ford Ranger passa por novo recall; entenda

Imagine ter que fazer o recall de quase 100 mil unidades porque uma peça do recall anterior foi instalada errada? Essa história sem fim está acontecendo com a Ford, que terá que substituir um componente dos airbags de 98.550 unidades da Ford Ranger. 

O pior disso é que a culpa nem é da fabricante, mas sim dos funcionários das concessionárias terceirizadas que fizeram a instalação incorreta dos infladores do airbag. Como não é possível saber se todos foram instalados incorretamente, a marca promoveu um novo mega recall. 

As inspeções começam em 27 de março e não afetam as Ford Ranger vendidas no Brasil. 

VEJA TAMBÉM

Recaal Ford Ranger
Recall Ford Ranger para quase 100 mil unidades (Foto: Divulgação/ Ford)

Mega recall da Ford Ranger

O recall é para os modelos fabricados entre 2004 a 2006 para os airbags de passageiros Takata defeituosos, que podem ter sido instalados incorretamente. Em uma possível colisão, o dispositivo pode não proteger os ocupantes. 

Segundo o comunicado, os proprietários devem se dirigir a uma unidade Ford ou Lincoln para fazer a inspeção e troca, se for necessário.

Os detalhes

Veículos recolhidos: Picapes Ford Ranger 2004-2006 cujos infladores de airbag foram substituídos no recall anterior.

O problema: os técnicos podem ter instalado o inflador do airbag incorretamente. Caso seja acionado, poderá ferir os ocupantes do veículo.

A correção: as concessionárias Ford e Lincoln farão a inspeção e podem substituir gratuitamente os infladores instalados incorretamente.

Tudo foi descoberto por meio de investigações internas. As apurações mostraram que muitos dos funcionários não entenderam como o sistema funcionam. Além disso, outros sequer leram o manual de instruções para a instalação dos componentes.

A boa notícia é que nem todos os veículos passarão por trocas, caso a inspeção determine que houve a correta instalação. 

Airbag
Recall da Ford Ranger prevê troca de peça do airbag (Foto: Freepik)

A Ford no Brasil 

No Brasil a empresa vai bem, obrigado. Apesar de reduzir o emplacamento em 82% em 2022, a Ford conseguiu colocar em prática parte de seus objetivos. Retirou do mercado os modelos nacionais e passou a importar veículos com maior lucratividade. 

Ano passado, foram apenas 20,5 mil unidades, uma queda de 44,8% em relação a 2021. Apesar disso, houve uma troca de volume de vendas por lucro, uma vez que houve um sensível aumento no tíquete médio. 

Ford Bronco
Ford Bronco entra no portfólio da marca no Brasil. (Foto: Divulgação/ Ford)

Isso porque o portfólio mudou com a retirada dos mais populares como Ka, e EcoSport, que deram lugar aos SUVs Territory e Bronco, o esportivo Mustang, além das picapes Ranger e a nova F-150. Com o tíquete médio de R$ 200 mil, a marca está conseguindo operar no “azul”.

 

Robson QuirinoSou Robson Quirino. Formado em Comunicação Social pelo IESB-Brasília, atuo como Redator/ Jornalista desde 2009 e para o segmento automotivo desde 2019. Gosto de viagens rápidas, mas sonho em viajar em um cosmic car para o espaço sideral.
ASSISTA AGORA
Veja mais ›
Fechar