Fusca 60 anos: conheça a história do besouro que foi ao mundial da Rússia

Notícias 18 de janeiro de 2019 Leo Alves 0

Neste mês, a produção nacional do Volkswagen Fusca completa 60 anos. Em janeiro de 1959, a fábrica de São Bernardo do Campo (SP) começou a fabricação daquele que se tornaria um ícone mundial, sendo o principal responsável pelo sucesso da marca alemã. No Brasil, ele liderou o mercado entre o começo da década de 1960 e o início dos anos 1980.

História Fusca 60 anos

Vendido no País desde o início dos anos 1950, a fabricação original do Fusca durou até 1986. Porém, por conta de um pedido do então presidente Itamar Franco, ele voltou a ser fabricado entre 1993 e 1996, quando saiu de linha definitivamente. Com tanto tempo de mercado, o besouro marcou a vida e a paixão automobilística de muitas pessoas no País – e no mundo.

LEIA MAIS: Dia do Fusca: Relembre o modelo ressuscitado por Itamar Franco

VW Fusca que rodou mais de 500 mil km é restaurado pela marca

É o caso do fotógrafo Nauro Júnior. Sua paixão pelo Volkswagen começou ainda na infância e só cresceu ao longo dos anos. Aumentou tanto que no ano passado ele viajou pela Rússia a bordo de um. “Minha história com o Fusca começou há 47 anos. Meu pai comprou um quando eu era criança e tenho toda a lembrança de ter passado a infância e a adolescência em um”, relembra. “Quando tirei minha habilitação e tinha dinheiro para comprar um carro, foi justamente um Fusca que escolhi.”

Antes de acompanhar a Copa do Mundo, porém, Nauro já tinha viajado com o besouro por diversos países. O “Segundinho” é um modelo 1968, com motor de 1.300cc, sendo o responsável por essas aventuras. Ao todo a expedição Fuscamérica percorreu 17 nações desde 2013, andou mais de 60 mil km e visitou três continentes.

Segundinho, porém, entrou na vida de Nauro e Gabi Mazza de uma maneira inusitada. “Eu percebi que a gente precisava de um segundo carro. Na época, eu tinha um iPhone de última geração e ofereci ele pelo carro. O dono achou meio inusitado, então dei o celular e mais R$ 500 para comprar o Fusca”, conta.

Foto: Nauro Júnior/Divulgação
Antes de ir para a Rússia, Segundinho já tinha viajado por diversos países |Foto: Nauro Júnior/Divulgação
Antes de ir para a Rússia, Segundinho já tinha viajado por diversos países. Aqui, ele estava na Cordilheira dos Andes

Missão Rússia

O dia 8 de julho de 2014 foi histórico para o futebol brasileiro. Neste dia, a seleção sofreu sua maior derrota da história, perdendo da Alemanha por 7 a 1, em pelo estádio do Mineirão. Em meio a decepção do resultado humilhante, surge a ideia de ir acompanhar a Copa da Rússia de Fusca. “O Nauro virou para mim e me disse para fazermos isso. O projeto começou ali, no mesmo dia do 7 a 1. Ele até brincou que era mais fácil a gente chegar lá de Fusca do que o Brasil ser campeão mundial em 2018”, conta Gabi.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Foram quatro anos de planejamento até que em 20 de janeiro de 2018, em pleno Dia Nacional do Fusca, o casal lançou um financiamento coletivo para auxiliar na missão. Eles conseguiram arrecadar 97% do valor desejado, o que foi fundamental para que a expedição desse certo. Em abril, Segundinho embarcou com destino a São Petersburgo. Nauro se juntou ao amigo Caio Passos, que já havia acompanhado em outras aventuras, para iniciar a expedição.

Foto: Divulgação/Caio Passos
Apesar das dificuldades, o Segundinho cumpriu sua missão na Rússia

Com a ideia de realizar uma cobertura diferenciada do mundial, a dupla percorreu, a bordo do Segundinho, todas as cidades em que a Seleção Brasileira jogou. E, apesar de todos os cuidados com a manutenção, o Fusca de 50 anos acabou precisando de alguns reparos durante a expedição. “Sempre acontece algum problema. Porém, se fosse com qualquer outro carro, talvez não tivesse esse apelo. Muitas pessoas ajudaram a gente, inclusive um rapaz de um Fusca Clube russo. Ele conhecia nossa história e chegou a viajar 800 km até a Finlândia só para comprar uma peça”, relembra Nauro.

Mutirão na Letônia

O maior perrengue, porém, aconteceu quando a viagem pela Rússia já tinha terminado. Nauro e Caio partiram a Letônia para encontrar Gabi e sua filha. Ao chegarem em Riga, uma roda caiu do Fusca. “Ela estava com problema desde Samara, na Rússia, e a gente foi soldando para conseguir chegar. Com isso, a ponta do eixo não aguentou e quebrou”, explica Nauro.

Novamente, um membro de um Fusca Clube ajudou no conserto, que não foi simples. “Ele criou uma mobilização para conseguir a peça, guinchou meu carro por diversos quilômetros e, na hora de pagar, ninguém cobrou nada. Apenas nos disseram que somos uma inspiração e que jamais deveríamos deixar de viajar com o Segundinho”, afirma Nauro.

E o casal garante que vai continuar com as expedições. Assim como o marido, Gabi também é apaixonada por Fusca e tinha um besouro quando começaram a namorar. Dessa forma, a história de ambos com o Volkswagen vai seguir por muitos anos. Assim como o legado do carrinho, que jamais será esquecido.

Filhos do Fusca

O projeto do Fusca deu origem a diversos outros carros. Na galeria especial, relembre aqueles que podem ser considerados como os filhos do besouro.