Ex-funcionário da Tesla recusa indenização milionária por racismo

Fábrica da Tesla em Freemont, Califórnia (Foto: Getty Images)

Um ex-operador de elevadores da Tesla se recusou a aceitar US$ 15 milhões (cerca de R$ 78 milhões) em danos morais pelo abuso racista a que foi submetido na fábrica da montadora de veículos elétricos em Freemont, no norte da Califórnia, depois que um juiz reduziu drasticamente um veredicto do júri, que havia dado ganho de causa no valor de US$ 137 milhões (R$ 711 milhões).

Owen Diaz, o funcionário vítima de racismo, disse na última terça-feira (21) ao juiz distrital William Orrick que não concordará com o corte de 89% no valor da indenização. Em vez disso, Diaz planeja buscar um novo julgamento.

Entenda porque Diaz recusou os R$ 78 milhões

Tesla
Advogados acreditam que indenização reduzida não impede futuras más condutas da Tesla (Foto: Pixabay.com)

Os advogados de Owen Diaz, que processou a Tesla em 2017, recusaram a sentença do juiz em um breve processo no tribunal federal de São Francisco. Eles disseram em um comunicado que o prêmio era injusto e não impediria futuras más condutas da Tesla.

VEJA TAMBÉM

“Ao rejeitar a redução excessiva do tribunal ao pedir um novo julgamento, o Sr. Diaz está novamente pedindo a um júri que avalie o que Tesla fez com ele e forneça uma compensação justa pela torrente de insultos racistas que foi dirigida a ele”, afirmou o advogado Larry Organ. 

Em comunicação enviada por e-mail, Organ disse a Orrick: “Senhor, Diaz busca restaurar uma indenização punitiva justa e justa que punirá e dissuadirá Tesla pela conduta racista à qual foi submetido e para evitar que ocorram futuros assédios.”

Um dos maiores vereditos da história

Em outubro de 2021, Diaz havia ganhado o que é considerado um dos maiores veredictos da história dos EUA para um autor individual em um caso de discriminação racial, após um julgamento de sete dias realizado num tribunal federal em São Francisco, Califórnia. O juiz Orrick reduziu a indenização em abril, citando outras decisões judiciais para sua decisão.

Orrick também negou o pedido de Tesla para um novo julgamento, com a condição de que Diaz aceitasse o prêmio reduzido.

Os advogados de Diaz procuraram apelar da redução, dizendo que o juiz não deu a devida atenção à inflação, já que as decisões anteriores citadas por ele ocorreram de 10 anos a 25 anos atrás.

Tesla enfrenta outras acusações de racismo e de assédio

A Tesla vem enfrentando uma série de ações judiciais envolvendo suposta discriminação racial generalizada e assédio sexual em sua fábrica em Fremont, Califórnia, incluindo uma patrocinada por uma agência de direitos civis da Califórnia.

Na semana passada, um acionista da montadora entrou com uma ação acusando o presidente-executivo da empresa, o multibilionário Elon Musk, e o conselho de administração de negligenciar as reclamações dos trabalhadores e promover uma cultura tóxica no local de trabalho.

A Tesla negou irregularidades e diz que tem políticas em vigor para prevenir e reprimir a má conduta no local de trabalho.

Owen Diaz alega que seus colegas e um supervisor o submeteram a um ambiente de trabalho hostil que incluiu insultos, caricaturas e suásticas, em seus nove meses de trabalho na fábrica de Fremont, entre 2015 e 2016.

lançamentos 2022 de carros elétricos tesla
Imagem ilustrativa (Foto: Divulgação)

O que você achou? Siga @sitegaragem360 no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Paulo Silveira
Paulo SilveiraJornalista com 20 anos de experiência profissional como repórter nas principais redações de jornais do Brasil, como Gazeta Mercantil, Folha SP, Estadão e Jornal do Brasil e em cargos de coordenação, edição e direção. Formado em Jornalismo pela Caśper Líbero.
ASSISTA AGORA
×

Mais veloz que esses carros? Apenas as notícias que traremos até você!

Cadastre-se na nossa newsletter e além de ficar por dentro de todos lançamentos, você também será o primeiro a ser notificado dos nossos testes e outras noticias incríveis por e-mail!
Veja mais ›
Fechar