Entregadores agora podem comprar moto elétrica de forma facilitada

Esta é a chance dos entregadores da Rappi de comprar uma moto elétrica de forma facilitada. Trata-se da parceria da plataforma com o Banco Votorantim (BV). A ideia é oferecer uma opção interessante em condições que os profissionais podem arcar.

watts w25
A moto elétrica facilitada é o modelo Watts W25, mas preço pode assustar. Foto: Divulgação

Compra de moto elétrica facilitada para entregadores Rappi

O BV, um dos maiores bancos do País, e o SuperApp Rappi firmam parceria para facilitar a aquisição de motos elétricas para os entregadores independentes que operam pela plataforma. 

O banco oferecerá condições especiais para os entregadores nível Diamond para adquirirem as motos modelo W125.

VEJA TAMBÉM

Os modelos são produzidos pela montadora brasileira Watts, marca do grupo Multi dedicada à mobilidade elétrica, presente no mercado brasileiro desde 2018.

 “Acreditamos que essa parceria gera valor aos clientes e impulsiona o ecossistema de veículos elétricos. Estamos fomentando o setor de financiamento de motos, no qual temos uma presença relevante, com a pegada ESG das motos elétricas e em parceria com diferentes empresa”, afirma Flávio Suchek, diretor executivo de Varejo do BV.

De acordo com Suchek, o modelo adotado reflete muito bem a forma que o BV trabalha com seus clientes, parceiros e o meio ambiente.

 “Uma iniciativa como essa é de extrema importância para o avanço e a inovação no setor de delivery. Com essa parceria, tornamos mais acessível a aquisição de motos elétricas para os entregadores parceiros”, afirma Marcel Silva, head de frota elétrica da Rappi Brasil.

De acordo com Marcel , além de ser uma iniciativa que promove os modais verdes, diminuindo a emissão de carbono, também garantimos o aspecto social do trabalhador independente, que pode economizar no valor do combustível e melhorar seu dia a dia de trabalho.

A Watts W125

A  W125 é a primeira moto elétrica da marca brasileira Watts, bem como seu primeiro produto competitivo no mercado.

A princípio, o modelo conta com o motor de 3.000 W e sistema elétrico de tecnologia LIPO4. Em conjunto, essa motocicleta consegue chegar a 90/km/h e tem autonomia de 75 km. 

O que pode dificultar é o preço de R$ 19.990, mas se quiser levar duas baterias, terá que pagar R$ 24.990.  

Você vai gostar: BMW inova com “moto elétrica” para menores de idade na Europa

Porém, apesar do preço um pouco salgado no final vale a pena. O custo médio de abastecimento de uma moto 125cc comum é de cerca R$1.200, para cada 7 mil km percorridos.

Enquanto o custo de carregamento das baterias proporcionando autonomia para a mesma quilometragem é de aproximadamente R$130, uma economia de 89%. 

Somado ao aspecto financeiro, há também o ganho sustentável: as três empresas almejam retirar cerca de 1,6 milhão de toneladas de CO2 da atmosfera com a parceria.

 “Além de contribuir com a redução da poluição atmosférica e sonora, a W125 100% elétrica oferece baixo custo de manutenção. Além disso, a economia financeira é de até 80%, se comparada às motos tradicionalmente usadas pelos entregadores”, destaca Rodrigo Gomes, fundador e diretor da Watts Mobilidade Elétrica.

Robson QuirinoSou Robson Quirino. Formado em Comunicação Social pelo IESB-Brasília, atuo como Redator/ Jornalista desde 2009 e para o segmento automotivo desde 2019. Gosto de viagens rápidas, mas sonho em viajar em um cosmic car para o espaço sideral.
ASSISTA AGORA
Veja mais ›
Fechar