Dicas para comprar veículos blindados

Notícias 1 de setembro de 2017 Da Redação, com assessoria 0

Por uma série de motivos relacionados à segurança, comprar um carro blindado não é tão simples quanto adquirir um veículo convencional. Há uma série de procedimentos que precisam ser seguidos para se efetuar a compra. Na lista abaixo, o Cesvi/Mapfre (Centro de Experimentação e Segurança Viária) dá dicas para quem deseja adquirir um desses carros no Brasil:

LEIA MAIS: Blindados exigem cuidados especiais
Mitos e verdades sobre a blindagem veicular

1. A revendedora do veículo terá de ser certificada pelo Exército: Certificado de Registro-CR.

2. O veículo blindado só poderá ser vendido à pessoa (física ou jurídica) que comprovar idoneidade ao vendedor.

3. A revendedora (como a blindadora) deverá solicitar autorização à Região Militar para vender aquele veículo específico. Essa autorização será feita no próprio documento. A documentação citada no item anterior deverá acompanhar esse requerimento.

4. Após autorizar a venda do veículo, a Região Militar emitirá documento para fins de registro no órgão de trânsito estadual, com os dados do respectivo veículo (os mesmos que constam do CRLV) informando tratar-se de veículo blindado com autorização do Exército Brasileiro. A declaração será entregue ao proprietário do veículo ou seu representante legal.

5. O veículo só poderá ser entregue ao novo proprietário após ter sido registrado no órgão estadual de trânsito.

6. Transferência de propriedade: a pessoa interessada para quem o veículo blindado será transferido deverá ter autorização prévia da Secretaria de Segurança do Estado onde resida. O veículo deverá ter sido registrado anteriormente.

Roubo ou perda total

1. Em caso de furto ou roubo de veículo blindado: a ocorrência precisará ser comunicada à autoridade policial, e um Boletim de Ocorrência deverá ser registrado – e encaminhado à Secretaria de Segurança Pública.

2. Perda total do veículo blindado provocada por acidente: será preciso dar baixa do veículo junto ao órgão de trânsito do Estado, e dar conhecimento do ocorrido ao órgão competente da Secretaria de Segurança Pública.

Nenhum comentário até agora.

Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *