Conheça todos os componentes do sistema de suspensão

Serviços 20 de agosto de 2015 Da Redação, com assessoria 0

Amortecedores são as peças mais importantes do conjunto

Já falamos aqui no Garagem 360 sobre os cuidados necessários com a suspensão, mas hoje você saberá um pouco mais sobre as peças que compõem o sistema. Fundamental para uma condução segura e estável, ele é formado por amortecedores, molas, chassi, caixa de direção, bandeja, pivô, rolamento de rodas, junta homocinética, barra estabilizadora, bieleta, buchas e coxins.

Elemento principal, o amortecedor controla as molas, mantendo o conjunto pneu/roda em contato com o solo e, assim, permitindo a plena dirigibilidade do veículo. Quando está em ordem, ele se ajusta às condições em que o carro está sendo guiado, o que significa que quanto mais rápidos forem os impactos recebidos, mais resistência ele irá oferecer, obtendo a máxima aderência ao solo.

Foto: Divulgação/Nakata
Amortecedor é o principal componente da suspensão|Foto: Divulgação
Amortecedores são os principais componentes do conjunto de suspensão

Sua vida útil é de cerca de 40 mil quilômetros. Após este prazo, perde eficiência e fica difícil manter o veículo estável. Além disso, se estiver gasto ou com qualquer parte quebrada, pode provocar aumento do espaço de frenagem, desgaste prematuro dos pneus, perda de controle e ruído. Vale salientar que o amortecedor deve ser trocado, mesmo antes do período determinado, se estiver com vazamento de óleo e alguma fixação danificada, amassada ou travada.

Outros componentes

No caso das molas, elas também merecem bastante atenção. Montadas junto aos amortecedores, elas são responsáveis pelo alinhamento e equilíbrio da suspensão, bem como controle da altura do automóvel e absorção de possíveis impactos decorrentes de irregularidades do terreno.

Se o seu carro estiver desnivelado em relação ao solo ou fora da altura original, é bem provável que exista algum problema com estas peças, portanto, elas têm de ser substituídas imediatamente – o mesmo vale se estiverem cortadas, descascadas, enferrujadas e com elos batendo. Mas, se nada de anormal estiver ocorrendo, a verificação é indicada a cada 10 mil quilômetros.

O que também compõem o sistema é a bandeja (ou braço). Ela liga a roda ao chassi através de buchas e pivôs, sendo também responsável pela estabilidade e pelo conforto, por determinar o alinhamento das rodas e por permitir os movimentos verticais da suspensão. Deve ser trocada quando estiver quebrada, torta, empenada ou apresentar buchas com folgas e alojamento do pivô danificado.

Foto: Reprodução/Nakata
Pivôs |Foto: Reprodução/Nakata
Pivôs possibilitam a articulação da roda e sustentam o peso de todo o sistema de suspensão

Outros elementos, como já adiantamos, são o pivô e a bucha. O primeiro possibilita a articulação da roda e sustenta o peso do conjunto todo. Deve ser substituído se apresentar folga ou estiver com a coifa rasgada. Já a bucha é responsável por ligar os componentes móveis da suspensão à carroceria, para lhe garantir livre movimentação. Também deve ser trocada quando estiver com folga e ainda se contaminada com óleo, rachada ou ressecada.

O rolamento de roda, por sua vez, é composto de um conjunto de rolos ou esferas que aliviam o atrito ao rodar, proporcionando menos esforço no deslizamento. Sua troca é recomendada quando estiver com folga, não permitindo ajustes, ou danificada e se apresentar ruído. As juntas homocinéticas, por sua vez, têm a função de transmitir a força do motor (torque) às rodas do modelo, mesmo nas curvas e nas irregularidades dos terrenos, e precisam ser trocadas em caso de ruídos de atrito metálico e estalos.

Por fim, há a barra estabilizadora (mantém a estabilidade), a bieleta (faz a ligação da barra estabilizadora com a carroceria) e o coxim (liga o conjunto mola/amortecedor à carroceria). Todos eles exigem a colocação de peças novas se estiverem quebrados amassados e com folga ou ruídos.

É fundamental destacar que, para proporcionar segurança e conforto aos passageiros e ao motorista, todo estes componentes precisam funcionar de modo sincronizado e correto.

Fonte: Bridgestone

 

 

 

Nenhum comentário até agora.

Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *