Tags

Artigo

Cenário atual pode ser favorável para quem precisa vender o carro; entenda

Créditos: Photo by Walter Lee Olivares de la Cruz on Unsplash
14 outubro, 2020
Da Redação, com assessoria

Por Luca Cafici *

Negociar carros usados e seminovos nunca foi considerado vantajoso. Afinal, o automóvel é apontado como um bem que se deprecia rapidamente e perde bastante valor ao longo do tempo. Contudo, neste período de pandemia de covid-19, diferentes fatores que combinam novos hábitos de prevenção e distanciamento com alta demanda e pouca oferta fizeram o segmento alcançar um novo status com o avanço do novo coronavírus. Isto é, o preço dos seminovos e usados desafiaram a lógica de depreciação e subiram consideravelmente nas últimas semanas. Em suma: o mercado está totalmente aquecido e representa ótima oportunidade para quem deseja vender.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link

Mercado para quem precisa vender o carro

Levantamento em nossa base de clientes indica que, após uma queda inicial com pelas medidas de isolamento social, o volume de vendas dos carros seminovos já está no mesmo nível pré-pandemia. Se em abril, o primeiro mês completo com as operações suspensas devido à quarentena, a queda de carros negociados foi de 83% em relação ao período anterior à covid-19, em agosto, já com a flexibilização do comércio em grande parte do país, o recuo foi de apenas 3%, reforçando a recuperação nas vendas.

Três pontos ajudam a explicar o cenário. O primeiro deles envolve justamente a questão da prevenção à doença. Há um crescimento na intenção de comprar um carro usado como alternativa ao transporte público, como ônibus e metrôs, e carros compartilhados, como táxis e demais aplicativos. Para evitar o contágio, a principal recomendação é manter o distanciamento social – o que coloca o transporte individual novamente em evidência. Na China, epicentro do novo coronavírus, 77% das pessoas que pretendem comprar um carro usado afirmaram que o principal motivo é reduzir as chances de nova infecção, de acordo com levantamento da Ipsos.

O segundo ponto tem a ver com a recuperação da economia, com queda na taxa de juros e, consequentemente, financiamento mais baixo, tornando atrativo aos motoristas negociarem automóveis e realizarem até mesmo o movimento de downgrade (negociar carros novos para adquirir usados) diante de um cenário ainda incerto. Por fim, o mercado de seminovos também foi impulsionado pela paralisação na produção de novos automóveis no primeiro semestre. Aqui no Brasil, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estimou ainda em março, no início da pandemia de covid-19, que 64 das 65 fábricas de automóveis do país já tinham interrompido suas operações.

LEIA MAIS: Saiba como escolher uma cadeirinha infantil para o carro

Conheça os carros e motos mais roubados em 2020

Entretanto, embora a demanda por seminovos já esteja no mesmo patamar de antes do novo coronavírus, isto não é suficiente para explicar um aumento dos preços. Nesse período houve uma queda forte na oferta no mercado nacional, jogando os preços para cima. Isso ocorre porque as locadoras venderam seus estoques logo nas primeiras semanas da pandemia e, agora, só operam no varejo porque não conseguiram ter acesso a novos veículos (uma vez que a produção foi paralisada, como dito anteriormente).

Assim, a combinação desses dois fatores (aumento da demanda com redução da oferta) está gerando um aumento significativo nos preços dos seminovos e usados, o que explica por que é um bom momento para quem deseja vender. Novamente em nosso banco de clientes observamos um aumento médio de seis pontos percentuais em relação aos preços que estão sendo pagos nos dez veículos mais negociados na plataforma. A situação é inédita, uma vez que normalmente os preços dos automóveis se depreciam ao invés de se valorizarem.

Negociações acima da tabela Fipe

Em janeiro, por exemplo, o preço médio de um Volkswagen Fox 1.0, 8V, flex, quatro portas e câmbio manual, com cerca de 90 mil quilômetros rodados, era de 81% da Tabela Fipe – em agosto, subiu para 85%. Um Ford Ka 1.0, 8V, flex, duas portas, manual e com baixa quilometragem foi negociado por 96% da Tabela Fipe em agosto, valorização de oito pontos percentuais em relação ao início de 2020. Carros bem conservados e de alto giro com baixa quilometragem chegam a ser negociados por 100% da Tabela Fipe – ou até mais. Um Toyota Corolla 1.8, 16V, flex, quatro portas e automático foi negociado por 150% do valor da tabela Fipe.

Com o mercado em alta, os motoristas que desejam aproveitar o momento para ganhar em cima de seus automóveis devem procurar recursos que os ajudem a encontrar as melhores ofertas. A negociação à moda antiga, indo até o lojista para conversar, pode não ser a melhor indicação agora. Nesse sentido, o canal digital mostra-se uma importante ferramenta para o negociante não perder tempo e conseguir acessar um número maior de interessados. Com plataformas específicas para esse fim, é possível encontrar lojistas de todo o país dispostos a oferecer um valor justo de acordo com a atual situação do segmento.

Trata-se de um período excelente para os seminovos e usados, mas que, evidentemente, não vai durar para sempre. Em épocas de recessão, é normal ver o volume de negociação de usados ser maior do que o dos carros 0 km. Quando as locadoras começarem a renovar suas frotas novamente e vender o estoque no atacado, a oferta vai aumentar significativamente, e os preços novamente irão cair. Mas, enquanto o mundo ainda vive com a preocupação constante da pandemia de covid-19, a negociação desses veículos seguirá em alta. Cabe aos motoristas, portanto, se adaptarem e aproveitarem o bom desempenho.

* Luca Cafici é CEO da InstaCarro, plataforma que realiza a intermediação na venda de veículos 

Na galeria, confira os modelos novos mais vendidos em setembro de 2020.

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book com dicas para cuidar melhor de seu veículo.