Tags

Destaques

7 dicas para compradores e vendedores de carros seminovos

Créditos: Foto: Pixabay
21 janeiro, 2021
Da Redação, com assessoria

Comprar um carro seminovo exige alguns cuidados especiais. Para evitar problemas, é preciso checar o veículo com atenção e conversar com o proprietário para verificar se todos os sistemas estão funcionando corretamente. A partir disso, compradores e vendedores podem negociar preços e fechar bons negócios.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

“Ao sair da concessionária, todo carro pode perder até 20% do seu valor apenas no primeiro ano. Após esse período, a taxa se estabiliza em 3% ou 4% a cada 12 meses, dependendo da marca. Quem deseja comprar um veículo seminovo deve considerar alguns fatores importantes como a conservação e a procedência do automóvel”, explica Maurício CEO da Volanty, marketplace de seminovos.

A Volanty e o Garagem 360 separaram algumas dicas para quem quer comprar ou vender um carro seminovo. Confira!

7 dicas para comprar ou vender um carro seminovo

1. Desgaste da pintura

A ação do tempo sempre provoca reações na pintura do automóvel, principalmente no Brasil, que possui um clima muito variado ao longo do ano. Por isso, é preciso tomar algumas providências que garantem uma duração prolongada. A dica é fazer uma aplicação de cera automotiva a cada seis meses. Além disso, vale a pena realizar a cristalização da pintura, que recupera a tonalidade original do carro, a cada 12 meses.

2. Ruídos

A má qualidade do asfalto das cidades pode causar novos ruídos em carros que rodam com mais frequência. Por isso, quem vai vender precisa ficar atento aos barulhos que aparecem no veículo e realizar os devidos reparos. Na hora de conhecer o carro, o comprador também deve prestar atenção nisso. A dica é fazer o test drive com os vidros fechados para facilitar a identificação dos ruídos. Caso opte por comprar o automóvel sem sair de casa, de forma totalmente online, é possível fazer um test drive com especialistas, como os da Volanty.

3. Má conservação dos bancos e forrações

Manchas de uso podem causar um aspecto de excesso de quilometragem que não agrada aos compradores. O mesmo vale para o forro do teto e para os plásticos do painel. Por isso, é importante manter o veículo sempre limpo e, anualmente, providenciar a limpeza dos tecidos internos. Ao fazer a análise de um carro em potencial para compra, o comprador deve observar bem todos os detalhes do veículo, principalmente maçanetas, bancos e acabamentos.

4. Odor de cigarro dentro do automóvel

O cheiro do tabaco é bastante predominante e penetra nas partes plásticas do painel e no estofado dos bancos. Além disso, sempre há o risco de queimar os tecidos com as cinzas que podem cair por acidente. Por isso, a dica é evitar fumar dentro do carro.

5. Customização excessiva

Para quem deseja vender o veículo, vale a pena optar por acessórios que possam ser retirados no momento da transação. Outro fator para ficar atento são os opcionais. Em muitos casos há lucro de 100% sobre eles. Os mais procurados são itens como sistema de freio ABS, airbags, alarmes, painel multimídia com tela e som, conectividade e pareamento fácil com celulares. Além disso, carros com volante multifuncional são muito requisitados. “Itens de segurança e multimídia, câmeras e sensores, controle de estabilidade, protetor de cárter, repetidor de seta, retrovisor eletrocrômico e acessórios de conforto também são diferenciais que valorizam um seminovo, assim como teto solar e banco de couro”, conta Maurício.

6. Procedência do carro

Vale a pena verificar se o veículo tem passagem por leilão ou se já sofreu algum tipo de sinistro. Essas informações ficam registradas em um banco de dados das seguradoras e podem implicar na recusa do seguro.

7. Atenção ao odômetro adulterado

Adulterar o odômetro é um dos mais recorrentes golpes na venda de carros. Essa prática faz com que o veículo pareça ser mais novo e pouco rodado, visto que a quilometragem fica bem abaixo da real. A dica para escapar disso é verificar o estado de conservação dos outros itens do automóvel, como volante, pedais, bancos e câmbio. As condições dos componentes do carro devem ser coerentes com a quilometragem apresentada no odômetro.

LEIA MAIS: Veja quais foram os 10 carros seminovos que mais valorizaram em 2020
Seminovos: 5 motivos para optar por um carro usado

25 carros seminovos que custam até R$ 50 mil

Na galeria, veja alguns seminovos para comprar por até R$ 50 mil.

Newsletter

Receba com exclusividade nossos conteúdos e o e-book com dicas para cuidar melhor de seu veículo.